Mário Fernandez

Dependência – Vivendo o Evangelho

“Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma.” (João 15:5)

No minimo interessante essa colocação de Jesus, como sempre, nos levando a refletir além do óbvio (mas sem deixá-lo de lado). Dependemos dele como um ramo depende da árvore, neste exemplo uma videira (de onde se colhem uvas). Se for cortado, o ramo em algum tempo seca, e jamais dará frutos. Somos muito mais dependentes do que pensamos ou admitimos.

Mas igualmente interessante é olhar que, se permanecer ligado à árvore, não apenas daremos frutos, mas daremos ‘muito’ fruto. Vemos pessoas que pouco ou nada produzem para o Reino de Deus e o discurso varia entre “Deus é quem sabe” e “talvez não seja tempo” enquanto outros produzem muito com até mesmo menos recursos. Refiro-me a qualquer fruto que possa ser produzido para Deus – almas, reconciliações, santidade, restauração, libertação, cura, qualquer coisa que glorifique a Deus sem dar brilho para o homem é fruto espiritual.

Será que não estamos trabalhando demais ‘para’ Jesus sem estarmos Nele ligados? Será que não é a força do nosso braço, as tradições, os costumes, as teorias, as teologias, a racionalidade, o mundanismo, o materialismo, as estratégias, o egoísmo, a ganância, a sede desenfreada de poder e conquista? Será que não são essas coisas que estão produzindo algum resultado no nosso meio? Talvez, pois todas elas são produtivas e no mundo têm seu valor – mas nós não devemos usar nada disso pois nem pertencemos a este mundo, devemos ser mais espirituais que isso.

A inércia é um fenômeno poderoso. Define-se como “propriedade da matéria que faz com que ela resista a qualquer mudança em seu movimento” ou num português mais simples “se está andando continua andando, se está parado continua parado”. Esse efeito nos colocou num rumo em que, temo, tenha se tornado nossa camisa de força no Reino de Deus. O culto tem um formato, não pode mudar. Temos horário a cumprir, Deus que deixe para curar amanhã. As técnicas de evangelismo são essas e não aquelas. Precisamos de estratégias e organização. Nada disso é ruim em sua essência, por favor me entendam, mas nada disso é espiritual.

Galho ligado à videira é galho que ora, que chora, que geme, que intercede, que busca, que sabe dizer não, que se esforça, que se sacrifica, que reparte, que perdoa, que anuncia as maravilhas do Reino, que se orgulha de ser cidadão do Céu, que faz o que Deus manda mesmo sem ter ‘qualificação’, que abre mão de seus direitos se for necessário, que nega a si mesmo… como não dar fruto vivendo assim?

Talvez o que não nos demos conta ainda é que para estar ligado à Ele temos que desligar de nós, do mundo, dos valores mundanos. Corte o galho do ego e dos caprichos, meu irmão. Eu tenho tentado, tenho me empenhado e algo tem começado a acontecer. Misericórdia, deveria ser muito mais.

“Senhor, eu quero me ligar mais à Ti. Me fortalece e me ensina a simplificar minha vida e encontrar formas e meios de me ligar mais e mais Contigo e menos comigo mesmo.“

3 thoughts on “Dependência – Vivendo o Evangelho

  1. Eliene Souza Reis disse:

    Amém! Tenho meditado neste versículo (João 15:5) e refletido sobre a importância de estarmos ligados à Videira para fortalecimento espiritual e produção de frutos. Deus abençoe esse Ministério a cada dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *