Mário Fernandez

A Aliança – A Noiva de Cristo

“Da mesma forma, depois da ceia, tomou o cálice, dizendo: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado em favor de vocês.” (Lucas 22:20)

Neste texto a palavra “aliança” deve ser entendida ou traduzida como pacto, acordo, contrato, tratado, ligação, ajuste, combinação. Não se refere a um anel para ser colocado no dedo. Leia em paralelo Hebreus 8:6-13:

“Agora, porém, o ministério que Jesus recebeu é superior ao deles, assim como também a aliança da qual ele é mediador é superior à antiga, sendo baseada em promessas superiores. Pois se aquela primeira aliança fosse perfeita, não seria necessário procurar lugar para outra. Deus, porém, achou o povo em falta e disse: ‘Estão chegando os dias, declara o Senhor, quando farei uma nova aliança com a comunidade de Israel e com a comunidade de Judá. Não será como a aliança que fiz com os seus antepassados quando os tomei pela mão para tirá-los do Egito; visto que eles não permaneceram fiéis à minha aliança, eu me afastei deles’, diz o Senhor. ‘Esta é a aliança que farei com a comunidade de Israel depois daqueles dias, declara o Senhor. ‘Porei minhas leis em suas mentes e as escreverei em seus corações. Serei o Deus deles, e eles serão o meu povo. Ninguém mais ensinará ao seu próximo nem ao seu irmão, dizendo: ‘Conheça ao Senhor’, porque todos eles me conhecerão, desde o menor até o maior. Porque eu lhes perdoarei a maldade e não me lembrarei mais dos seus pecados’. Chamando ‘nova’ esta aliança, ele tornou antiquada a primeira; e o que se torna antiquado e envelhecido, está a ponto de desaparecer.”

É notável como este noivo, o Cordeiro, fez tão forte investimento em prol de sua noiva, me parece absolutamente incrível (ou seja, quase não dá para acreditar). Sem precisar dela, a amou ainda assim. O que talvez escape da percepção dos desavisados, é que Jesus não inventou a ceia. Leia o evangelho de Lucas, capítulo 22, desde o começo e veja que já no verso 1 o contexto é da celebração da Páscoa dos Hebreus, um celebração que foi instituída séculos antes, quando Deus tirou o povo do Egito com mão poderosa (veja Exodo 12). Ou seja, quando Jesus levanta o cálice e diz “é meu sangue”, o que Ele está dizendo é “eu sou o Cordeiro”. A morte vai passar por vocês. O Egito não será mais seu cativeiro. É o anúncio da salvação.

Mas isto, na esfera deste mundo material e passageiro nem teria tanto sentido, ou se tivesse, seria de benefício muito limitado. Não me entenda mal, ser tirado do Egito não foi pouca coisa – mas comparado com o que Jesus fez, nos livrando da morte eterna, me parece sinceramente pequeno. Se esta profundidade nos for clara, certamente daremos o devido valor à esta nova aliança. Isso nos afeta tão diretamente que Hebreus diz textualmente “porei as minhas leis em suas mentes e as escreverei em seus corações”. Não será um conjunto de regras ou ideias, mas um estilo de vida baseado em mente e coração recheados com aquilo que caracteriza o Reino de Deus – a revelação do Deus do Reino.

Ao afirmar que aquele vinho representava seu sangue, Jesus de Nazaré nos faz participantes da derradeira Páscoa que acontecerá em breve. Depois da última passada do anjo da morte, depois da última rodada deste mundo natural e toda sua criação, depois do fim de tudo isso – virão as bodas do Cordeiro. Não importa se sua crença for diferente da minha sobre arrebatamento, tribulação, milênio, etc. O que importa é que as bodas do Cordeiro nos esperam à frente. A certeza dela é tudo que precisamos, e esta certeza está baseada na palavra Daquele que nunca mentiu e nos afirmou que voltaria.

A noiva do Cordeiro precisa entender este conceito tão simples e se preparar para o grande Encontro. Não tenho dúvida de que se aproxima.

“Senhor, me faz entender o quanto foi abrangente e poderoso este ato de Jesus na Terra com seus discípulos naquela Páscoa. Me faz viver baseado nesta esperança e nesta certeza para que eu não perca meu foco.“

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *