Mário Fernandez

Importante – A Noiva de Cristo

“Nele, quando vocês ouviram e creram na palavra da verdade, o evangelho que os salvou, vocês foram selados com o Espírito Santo da promessa,” (Efésios 1:13)

Temos de resgatar a perspectiva correta das coisas quando o assunto é gratidão a Deus. O mais importante é o que Ele já fez por nós, não o que Ele ainda fará – não estou desmerecendo o valor das bodas do Cordeiro, da eternidade, da Nova Jerusalém. Mas nada disso faz qualquer sentido sem a salvação que já nos alcançou. Ou seja, o primeiro e mais importante passo no caminho da nossa vida eterna já foi dado e iniciado por Deus, o Pai. Aleluia.

A perda da perspectiva de quem é Jesus e o que já fez por nós decorre primeiramente da falta de conhecimento bíblico desta geração que aí está. Refiro-me, não apenas aos mais jovens, mas a todos que estão vivos neste tempo presente. Acho impressionante que pessoas com um pouco mais de conhecimento bíblico sejam tão salientes no meio de uma congregação, enquanto deveriam ser apenas “normais”. Por falta de conhecer a Palavra de Deus, desconhecem o Deus da Palavra e por conta disso, não valorizam o mais importante – a obra de Jesus.

Eu tenho me proposto a resgatar esse valor da Palavra em meio àqueles com os quais tenho algum convívio ou condições de influenciar. São anos e anos de esforço contínuo para conhecer as Escrituras – note, não me refiro a decorá-las mas a conhecê-las. Qual a diferença? Pois bem:

  • Quem decora sabe o que está escrito, quem conhece sabe para que serve
  • Quem decora repete, quem conhece pratica
  • Quem decora recita, quem conhece vive
  • Quem decora lembra, quem conhece aplica
  • Quem decora repete, quem conhece compartilha
  • Quem decora lê, quem conhece digere e se alimenta.

Percebe a diferença? É na simplicidade do evangelho que somos salvos, não na complicação das teologias, na dificuldade de interpretação, nas muitas letras. Entender que a salvação não vem de nós é fácil, basta olhar em volta, nada sugere que conseguiríamos sozinhos. Jesus é mais importante do que eu ter razão, sua obra é mais importante do que eu entendê-la. Eu preciso crer e obedecer pois é disso que se trata ser cidadão do Reino de Deus. Mas sem as Escrituras isso não aparece nem tem sentido.

Um adolescente algum tempo atrás me disse “o que importa é o que interessa”. Eu ri, depois me calei, acho que agora comecei a entender. Jesus é o que importa e sua obra é o que interessa – sou salvo por ela.

Ser a noiva do Cordeiro, sem dúvida nenhuma, implica conhecê-lo, reconhecê-lo e valorizá-lo. Dar importância ao que é importante – isso é mais do que sabedoria, é necessidade e é salvação.

“Senhor, me ajuda a valorizar o que Tu já fizeste por mim, mesmo porque ninguém mais poderia fazer por mim. Quero ser grato da forma correta e viver de modo compatível.“

Vinicios Torres

Pecados Privados

“… e sabei que o vosso pecado vos há de achar.” (Números 32:23 ACF)

Dr. Jim Denison comenta hoje a respeito de um líder muito famoso que está enfrentando acusações de “conduta sexual imprópria” com várias pessoas durante o seu ministério. Uma obra construída durante mais de trinta anos, e que abençoou milhares e milhares de pessoas ao redor do mundo, está sendo abalada por aquilo que o jornal Times chamou de “pecados privados”.

Muitas vezes acreditamos que podemos manter pecados escondidos na privacidade. Mas isso é apenas uma ilusão que o Diabo gosta de fazer a gente pensar. Ele reforça essa ideia nas nossas mentes sabendo que se nos sentirmos protegidos pela ideia de que esses pecados privados nunca serão revelados poderemos continuar usufruindo deles sem consequências.

Esquecemos que a Palavra de Deus assevera que todas as coisas escondidas serão reveladas (Mateus 10:26). Se não agora, certamente no último dia diante do trono de Deus.

O Dr. Denison termina seu artigo com algumas considerações relevantes:

“Satanás quer que acreditemos que ninguém saberá ou será ferido. Sabemos que podemos confessar nossos pecados e sermos perdoados por eles (1 João 1:9), por isso achamos que podemos abrigar uma área de pecado particular que nunca será tornada pública.

Há pelo menos três enganos aqui.

Um: O pecado particular raramente permanece privado. O pecado de Davi com Bate-Seba logo se tornou parte de seu legado público. Computadores podem ser hackeados; os cookies da internet podem rastrear o tráfego da web; outros podem descobrir o que pensamos ser secreto.

Dois: Deus pode perdoar nosso pecado, mas ele não pode nos recompensar por isso. Cada momento que passamos em desobediência é um momento que não podemos voltar. E uma oportunidade perdida de obediência que nosso Pai teria recompensado eternamente (cf. 1 Coríntios 3:14).

Três: O pecado particular dificulta a obra de Deus através de nós. O pecado aflige o Espírito (Efésios 4:30) e “apaga” seu trabalho em nossas vidas e ministérios (1 Tessalonicenses 5:19). O Espírito Santo não pode usar totalmente um vaso profano. Se estamos abrigando o pecado privado, mas pensamos que Deus está nos usando de qualquer maneira, imagine o que ele poderia fazer dentro e através de nós se fôssemos completamente dele.

Uma chave poderosa para derrotar a tentação

Vamos encerrar com um elemento crucial para derrotar a tentação privada. Vários anos atrás, participei de um seminário de líderes eclesiáticos sobre os perigos da pornografia. Um dos meus colegas fez uma observação que não esqueci: devemos amar a Jesus mais do que amar o pecado.

Uma coisa é amar a Jesus, mas outra é estar apaixonado por ele. Então, peça ao Espírito para ajudá-lo a estar mais apaixonado por seu Salvador hoje.

E lembre-se de tudo o que Jesus fez por você. Charles Spurgeon disse: “Se conhecemos poucas das excelências de Jesus, o que Ele fez por nós e o que Ele está fazendo agora, não podemos amá-lo muito; porém, quanto mais o conhecermos, mais o amaremos.”

Jesus diria que você está apaixonado por ele hoje?

Vinicios Torres

Adversidades

“No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo” (João 16:33)

“Creio que aquilo que diferencia times ou indivíduos bons de times ou indivíduos excelentes é a maneira de lidar com a adversidade. Você se deixa abalar por ela ou a usa para se fortalecer?

A adversidade pode nos ensinar mais sobre nós mesmos do que qualquer sucesso, e às vezes superar um obstáculo é mais gratificante do que alcançar uma vitória fácil. Além disso, podemos descobrir até onde vão nossa resistência, nossa força de vontade e nossa capacidade de transformar algo negativo em positivo”.

  • Mike Krzyzewski (Liderar com o Coração, p.22, Ed. Sextante)

Dificuldades e problemas todos nós enfrentaremos na vida. Eles são inerentes ao processo de viver. Eles começaram lá no Gênesis quando Deus disse a Adão que a Terra lhe resistiria e ele teria que conseguir o que precisava com o suor do seu trabalho. Qualquer coisa que você deseje, planeje e aja para realizar enfrentará essas resistências.

As adversidades são aqueles eventos extras que acontecem na nossa vida que parecem determinados a nos tirar da rota e nos fazer ser e fazer qualquer coisa menos aquilo que planejamos ou sonhamos.

Os efeitos de uma adversidade podem ser curtos e em poucos dias ou semanas você pode estar de volta à rota. Ou podem ser tão profundos e duradouros que literalmente mudam a sua vida.

Fico imaginando o que passava pela cabeça de José, o filho de Jacó. Vendido pelos irmãos como escravo logo depois de receber sonhos de Deus de um belo futuro de domínio e autoridade. Uma adversidade e tanto! Ele pode ter imaginado muitas maneiras pela qual Deus o levaria a cumprir os sonhos que recebera.

Mas a adversidade que enfrentou não tirou dele a visão. Se ele teve o sonho de que seria autoridade, para isso se prepararia: tornou-se o melhor e mais próspero servo e conquistou a posição de autoridade ali mesmo onde estava.

Quando achou que tudo estava indo bem, nova adversidade! Mas a prisão, limitante fisicamente, não limitava sua convicção de que havia sido destinado a governar. Ganha a confiança do carcereiro e torna-se o cuidador de seu próprio cárcere.

Ele estava preso por fora, mas era livre por dentro! As adversidades não tiraram as convicções que Deus havia colocado dentro dele. Em vez disso, fazia o que podia para tornar a visão uma realidade onde ele estava.

Quais são as convições que Deus colocou dentro de você que parecem que foram roubadas pelas adversidades? O que você acha que perdeu porque elas alteraram os caminhos da vida que você achava que devia seguir?

Assim como José, você pode, no final, experimentar plenamente o cumprimento da promessa de Deus. Mesmo que as adversidades pareçam virar a sua vida de cabeça pra baixo.

“Senhor, me ajuda a permanecer firme trazendo à realidade os teus sonhos para mim, mesmo dentro da adversidade.“

Mário Fernandez

Conhecido – A Noiva de Cristo

“Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas; e elas me conhecem;” (João 10:14)

Até onde eu pude pesquisar, ainda existem casamentos arranjados., naquele conceito de que os pais escolhem os pares para seus filhos. Mas na contramão desta tradição, aliás muito muito antiga, tivemos em 2018 o casamento do príncipe inglês Harry com uma artista americana. A noiva tinha 36 anos, estrangeira, filha de uma mulher negra – e um ex-marido. Nada de errado com nada disso, mas tudo contra a tradição da nobreza britânica.

Em meio a tantas mudanças, uma coisa se mantêm a cada dia mais frequente e continua fazendo sentido: casar com uma pessoa conhecida. Seja há muito ou pouco tempo, seja profundamente ou superficialmente conhecida, é cada vez menos frequente conhecer seu cônjuge no altar. Isso me parece ser tendência em todos os países e culturas que pude pesquisar, ainda que se preservem culturas diferentes em lugares cada vez menos incidentes.

A noiva do Cordeiro precisa aprender a conhecer a ouvir a voz do Seu Noivo, pois não vai funcionar tentar resolver isso na hora das bodas. Mateus 25:34ss corrobora esta afirmação de maneira inquestionável. Haverá um julgamento, precedendo as bodas, com clara separação entre ovelhas e bodes. Justamente por isso escolhi o verso acima, que fala das ovelhas que conhecem seu bom pastor. O conceito é simples: somos conhecidos Dele, mas isso não significa que O conheçamos ou reconheçamos sua presença.

Vamos nos dedicar a conhecer o Noivo enquanto não chega o dito julgamento. E isso é tão fácil que a maioria das pessoas nem acredita que funcione, esperando algo tão fantástico e sensacional que nem existe. Se conhece alguém de duas maneiras: buscando informações a respeito e gastando tempo junto.

Todas as informações que precisamos a respeito do Noivo estão reveladas nas Escrituras, a Bíblia, que é a Palavra de Deus revelada para nossa edificação, conhecimento, crescimento, correção, ensino – veja 2 Timóteo 3:16. Não tem atalho, não tem mágica, não tem moleza nem para mim nem para ninguém – o que tem é papel (ou tela) e olho aberto durante um tempo. Meus parabéns aos que tem por hábito uma leitura diária da Bíblia pois é exatamente disso que estou falando. Meu incentivo aos que não têm essa prática, pois nesse livro encontramos palavras que trazem vida. A letra mata, é verdade, mas o Espírito vivifica através da revelação espiritual do que está escrito. Mas não vem revelação onde não há conhecimento. Isso toma tempo meu irmão, toma tempo.

Passar tempo com o noivo é orando, meditando, cantando, adorando, servindo, no que entendo que seja um equilíbrio entre o individual e o coletivo. No individual eu passo tempo a sós meditando, orando, agradecendo, clamando, declarando meu amor por Ele, cantando e pasme – ouvindo Sua voz, afinal não é um discurso ou monólogo. No coletivo eu me reúno com os demais membros desse corpo que é a noiva e fazemos a mesma coisa. Passamos um tempo meditando, orando, agradecendo, clamando, declarando amor por Ele, cantando e pasme – ouvindo Sua voz… E mais, juntos podemos nos consolar, profetizar uns aos outros, animar, compartilhar o que já aprendemos, ensinar uns aos outros, cantar juntos, multiplicar os esforços e os talentos para conhecê-lo mais e melhor.

É a nossa vez e o nosso tempo. Façamos e façamos direito. Conheçamos Aquele que nos espera pois Ele já deu o primeiro passo e morreu por nós, ressuscitou por nós e Reinará eternamente.

“Senhor, me ensina a gastar tempo com a Tua Palavra e com a Tua presença, de modo que eu Te conheça mais e mais. Não permita que as distrações deste mundo tumultuado e barulhento me tirem do caminho de Te conhecer.“

Mário Fernandez

Canções de Amor – A Noiva de Cristo

“Habite ricamente em vocês a palavra de Cristo; ensinem e aconselhem-se uns aos outros com toda a sabedoria, e cantem salmos, hinos e cânticos espirituais com gratidão a Deus em seus corações” (Colossenses 3:16 )

Eu tenho uma impressão meio negativa dos dias atuais, em diversos sentidos e aspectos. A geração que aí está, incluindo os que têm a minha idade, estão desfocados, cada vez menos sabem de Bíblia, subestimam o poder de Deus, são confusos, cada dia menos humildes, valorizam pouco os valores familiares, não persistem… ou seja, são e estão como a Bíblia descreve que seriam nos últimos dias. Previsível, portanto.

Mas algo me incomoda nisso. Mesmo sendo os dias descritos em 2 Timóteo 3, portanto com as pessoas se enquadrando naquilo ali descrito, um povo deveria se sobressair nesse meio – esse deveria ser o povo de Deus. Eu sei que o tema é polêmico, mas nossa vida deveria aparecer nessa geração com “cânticos de gratidão”. Em vez disso temos nos dedicado a um pula-pula divertido, ou a uma choradeira comovente, ou a palavras que, as vezes, nem eu entendo ou mesmo a reuniões meio sem sentido nem conteúdo. Fico me perguntando onde foi parar a gratidão, afinal a noiva deve mais do que tudo ao noivo.

Gratidão é uma coisa engraçada. Às vezes parece um exagero, às vezes parece insuficiente, às vezes parece que não faz efeito. Mas uma coisa é constante na gratidão – ela representa algo para quem está agradecido. A gratidão raramente vem do futuro, mas geralmente está apoiada em algo que já recebemos ou já aconteceu. Portanto, ela faz parte da nossa memória. Mantendo uma mente sã teremos lembranças agradecidas e nossa vida poderá soar como uma canção agradecida, mesmo que o presente não inspire muita alegria.

Esse imediatismo é próprio do nosso tempo também, afinal tudo está tão conectado, rápido, divulgado, publicado, exposto – como nunca antes. Se hoje as coisas vão mal, tenho que continuar lembrando do que já recebi e me manter grato. Se hoje estou vivendo um bom momento, mais motivo ainda para ser agradecido. Mesmo não conhecendo meus leitores, posso afirmar com total segurança que todos nós temos motivos de sobra para sermos gratos a Deus e principalmente manifestar tal gratidão. Como sei? Estamos vivos.

Quero lançar um desafio aqui: vamos manifestar mais gratidão. Tire apenas 2 minutos, dois singelos minutinhos, e ore sem pedir nada. Apenas uma vez por dia, por breves dois minutos. Mesmo que no começo isso seja uma eternidade, persista. Levante sua voz em palavras de gratidão, elogie, reconheça, valorize, agradeça. Se conseguir fazer isso por uma semana, aumente para 3 minutos por mais uma semana. Depois quatro e depois cinco. Vá até onde conseguir, não tem limite nem será suficiente ou proporcional para agradecermos, nem mesmo pelo simples dom da vida – estamos vivos.

Uma noiva que não reconhece as qualidades e os feitos do noivo, talvez não seja digna no noivo. Não quero ser encontrado nessa condição. Venha comigo.

“Senhor, obrigado por tanta coisa que me proporcionaste a começar pela própria vida. Quero falar e cantas das maravilhas que encontro no Teu caráter, quero manifestar publicamente de todas as formas o quando sou grato por Teus atos.“

Vinicios Torres

Primeiro o Mais Importante

“Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça” (Mateus 6:33)

,

Muitos compromissos, prazos para cumprir, diversas tarefas. Você está estressado com a quantidade de coisas que tem de fazer. Está correndo num dia em que sabe que não dará conta de tudo, já sabe que terminará o dia devendo para algumas pessoas. Está equilibrando os pratos tentando não deixar nenhum deles cair.

Então, descobre que a geladeira estragou. Você tem que parar tudo que está fazendo, tirar dela tudo o que estraga, colocar em uma cesta e ir ao vizinho pedir ajuda para guardar na geladeira dele enquanto você procura por um técnico que possa vir o mais rápido possível. Enaquanto isso, seu cérebro vai calculando as horas que deverá entrar a noite trabalhando para compensar o tempo perdido.

E assim os dias vão se repetindo, nesta rotina atropelada. Um dia mais atarefado que o anterior, por causa das pendências que vão se acumulando. O estresse aumentando e o sentimento de incapacidade começa a fazer efeito.

Por mais que você siga métodos de organização de tempo, priorização de tarefas e coisas assim, chegará um dia em que os imprevistos provocarão o descontrole da agenda. Ninguém está imune a isso.

O problema é que essa correria muitas vezes nos faz inverter prioridades. A pressão pelos prazos e resultados nos faz gastar todo o tempo da nossa vida na correria e deixamos de dar o tempo necessário para aquilo que é mais importante.

Deixamos de gastar meia hora de oração e meditação na Palavra de Deus porque o nosso cérebro nos induz a pensar que esta meia hora poderia ser usada para resolver o problema X ou fazer a tarefa Y e, com isso, diminuirmos a dívida emocional em relação ao que está atrasado.

O problema é que essa abordagem nos induz a outra dívida emocional: aquela em que sabemos que estamos invertendo a prioridade da vida. O mais importante do mais importante está sendo deixado de lado. Ficamos com aquela sensação ruim de que estamos negligenciando o relacionamento do qual, logo depois, vamos querer usufruir os resultados sem ter dado o tempo necessário para ele.

Quantas vezes você chegou para Deus e a primeira coisa que fez foi pedir perdão por não estar orando o tanto que devia? Não que a quantidade de tempo determine o bom relacionamento, mas a baixa quantidade demonstra a falta de interesse ou de importância.

Conta-se que Martinho Lutero, o reformador alemão, gastava duas horas em oração todos os dias. Algumas vezes quando terminava esse período ele avaliava o que tinha de fazer no dia e dizia algo como: “Hoje tem muitas coisas para fazer e pessoas para encontrar, vou orar mais duas horas para dar conta de tudo.”

Ele compreendia que gastar tempo com o Pai Celestial lhe traria mais benefícios e mais produtividade do que se simplesmente se jogasse na luta com as atividades diárias.

, mesmo na correria que está o seu dia hoje, ouse parar e ir para a presença do Pai, não importa a hora, para demonstrar para Ele que você o considera acima de todas as coisas.

Foi assim que parei tudo e, meditando sobre isso lhe escrevi, enquanto espero o técnico vir consertar a geladeira.

Vinicios Torres

Você Já Fez algo Durante 20 anos?

Hoje, 1 de junho de 2018, faz 20 anos que publiquei os primeiros artigos no site e enviei uma mensagem de e-mail para quase 50 pessoas conhecidas convidando-as para conhecerem o site e darem as suas opiniões a respeito da iniciativa.

Junto com o lançamento do site criei esta lista, que inicialmente foi o meio de transmitir as novidades do site e posteriormente se transformou na lista de devocionais do nosso site.

Durante esse tempo nós fomos muito abençoados pelo trabalho que fazemos aqui. Digo que somos os primeiros a receber os impactos daquilo que enviamos. Isso porque eu e o Mário temos um princípio: não falamos daquilo que não vivemos e experimentamos. Por isso, tudo foi escrito porque experimentamos e quisemos compartilhar, sabendo que se para nós fez alguma diferença, ou recebemos alguma revelação de Deus, então alguém também poderia receber a mesma bênção.

Sempre recebemos e-mails de vocês, comentando nossos artigos e contando que determinada palavra foi especial em algum momento. Para marcar esse momento, afinal 20 anos não é pouco tempo, gostaria que você agradecesse a Deus conosco pela oportunidade que tivemos de servir tantas pessoas.

Você não gostaria de ajudar a celebrar esse momento?

Se você foi abençoado de maneira muito específica pelo nosso trabalho em algum momento, poderia enviar um breve testemunho contando como foi?

Não é uma questão de vaidade, apenas de reconhecer os frutos da semeadura realizada e podermos glorificar juntos ao nosso Salvador Jesus Cristo, o motivo de todo o nosso esforço e da nossa vida.

Vinicios Torres e Mário Fernandez

Mário Fernandez

Atitude – A Noiva de Cristo

“E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba.” (João 7:37)

Ainda que totalmente fora de um contexto especifico de ensino, este versículo traz consigo um ensino poderoso para nossas vidas. Era Jesus numa festividade, não era um momento na sinagoga ou especificamente ensinando seus discípulos, mas como se diz de onde venho, Jesus não dava ponto sem nó.

Note que se alguém tiver sede, mesmo estando em meio a uma festa, tem que se mexer e vir beber. Interessante isso, pois estamos sempre acostumados a ouvir que tudo se resolve orando, que Deus nos supre, que a fé move montanhas. Eu não tenho a menor duvida de que estas coisas são boas e verdadeiras, mas como tudo neste mundo temos de entender a aplicação.

Oração resolve tudo? Discordo. Sou um homem de oração, amo orar, conheço de perto o valor e o poder da oração. Mas veja este texto – quem tem sede, levante-se, mexa-se, mova-se – venha e beba. Orando ou sem orar? Não diz no texto, mas o que diz é que tem que se mexer. Uma coisa não anula a outra, se vamos orar sem cessar como a Palavra nos ensina, temos de aprender que não podemos parar de respirar para isso, assim como comer, trabalhar, descansar, adorar, estudar. Ao orar sem cessar, não vejo autorização bíblica para sermos desleixados, ou preguiçosos, ou vagabundos, ou parados. Se tiver sede, venha a mim e beba, sem parar de orar. Qual a dificuldade? Uma coisa não invalida a outra, ainda que para muitos nós pareça que sim.

A passividade do chamado povo de Deus no nosso tempo é preocupante, pois parece que só podemos fazer uma coisa de cada vez. Se vamos orar temos que parar tudo? Se vamos adorar paramos tudo? Se vamos evangelizar paramos de trabalhar? Eu sei que soa duro, mas estou cansado de ver pessoas querendo parar de trabalhar para “servir a Deus”, o que na verdade é um mero disfarce para o comodismo. Se Deus chamou, não se negue, mas se não chamou, não se meta. Há muito para ser feito e sempre houve. Jesus mesmo disse que a seara era grande demais para o tamanho do time. Sou totalmente favorável a dedicar totalmente seu tempo a servir ao Senhor, mas que seja por chamado e não por outro motivo qualquer.

Na mesma veia da passividade, me preocupa o fatalismo. É um tal de “Deus quer assim” ou “se for da vontade de Deus” empregados de forma que não posso concordar de forma alguma. Estamos muito condicionados ou adestrados no pensamento de que temos que pedir para um pastor orar para resolver tudo. Primeiro que todos temos o mesmo acesso a Deus. Segundo, que o que Deus já revelou na Sua Palavra não adianta orar que Ele não fará de outra forma. Tem sede? Mexa-se e venha beber. Aflito? É assim mesmo, mas tenha ânimo que a vitória vem. Sofrendo? Se for por amor a Cristo aguarde seu prêmio e se for por sem-vergonhice – bem feito… 1 Pedro 2:20, Mateus 5:10, 2 Timóteo 2:12, 1 Pedro 4:15 entre outros.

A noiva do Cordeiro carece de sabedoria e temor. Não pode usar uma responsabilidade ou mandamento para se liberar de outro. Se temos de orar sem cessar e se mexer para vir e beber – venhamos orando. Se temos de fazer tudo para a Glória de Deus, também temos de trabalhar pelo nosso pão. Se temos de fazer o evangelho conhecido, também temos de desenvolver nossa salvação com temor e tremor. Que Deus nos ajude.

“Senhor, me ensina a viver uma vida que reflita todas as coisas que Tu tens para mim e não apenas as que me interessam ou me convém. Fortalece-me para que eu consiga ir além dos meus próprios limites de entendimento.“